Teoria e prática no ensino de Ciências

Projeto do Departamento de Biologia Geral da UEL auxilia professores de Biologia e Ciências

Pauta: Ana Carolina Contato
Reportagem: Marcia Boroski
Edição: Beatriz Assumpção

“O professor de Biologia e Ciências tem dificuldade de transpor o conhecimento formal para uma realidade cotidiana porque sua formação está centrada em uma grande quantidade de conhecimentos de conteúdos conceituais e de propostas teóricas”. Isso é o que diz a Professora Doutora em Educação Científica pela Universidade Federal de Santa Catarina, Vera Lúcia Bahl de Oliveira, que coordena o projeto “Dos saberes docentes ao ensino de conteúdos: uma proposta de ensino de Biologia no contexto escolar contemporâneo”. O projeto está ligado ao Departamento de Biologia Geral na Universidade Estadual de Londrina – UEL – que tem, dentro da área de metodologia e prática do ensino, a linha de pesquisa de formação de professores, na qual o projeto esta inserido.

Durante a formação acadêmica, o estudante de Ciências Biológicas que faz opção pela licenciatura, é obrigado de fazer estágio que costuma ser realizado em escolas públicas. Neste contato direto com professores e alunos, a professora Vera Lúcia Bahl afirma que os professores que já lecionam nas escolas mostravam apenas as dificuldades da profissão. “Os professores reclamam da falta de recursos, de que a escola dificultava o trabalho com os alunos fora da sala. O professor já no mercado aponta várias dificuldades tentando induzir o estagiário a fazer uma aula somente expositiva, como a que ele dá. Em função disso, nós resolvemos, oferecer aos professores ativos oficinas para uma reflexão sobre os saberes que ele já detém e o que ele precisaria ainda adquirir”, disse a pesquisadora.

As oficinas ocorreram em três momentos e, conforme Vera Lúcia Bahl, houve grande participação da população de professores da área. Cada uma delas teve uma temática diferente e todas aconteceram no Centro de Ciências Biológicas. “Primeiramente nós demos um conteúdo de fundamentação teórica e também propomos uma reflexão sobre os recursos que estão disponíveis e que são sub aproveitados. Como por exemplo, laboratórios de informática, modelos de maquetes do corpo humano produzidos por alunos, e o próprio livro didático. Na segunda oficina problematizamos temas da atualidade como transgênicos, células tronco, reprodução humana assistida e genética que são conteúdos que estão na mídia e que o aluno pergunta mas o professor tem dificuldade de trabalhar. Foi muito perceptivo que aquele conhecimento havia chegado na hora certa. Já na terceira oficina explicamos a importância de levar o aluno para fora da sala. Então nós fizemos oficinas de educação ambiental, dando enfoque na mudança do olhar de quem educa e de quem é educado. E em cima disso inserimos algumas dinâmicas que pudessem ser aplicadas a realidade deles”, explicou a professora.

A pesquisa deve prosseguir com outros enfoques nas oficinas visto que, conforme Vera Lúcia Bahl, o projeto ganhou espaço, credibilidade e aceitação do público alvo. Há a necessidade de orientá-los a gerenciar as mudanças das diretrizes curriculares (o Ensino Fundamental passou a ter nove anos).

Porém, para realmente tratar a causa destas lacunas na formação do profissional que leciona Biologia ou Ciências é necessário adequações na formação acadêmica. No momento, o curso de Ciências Biológicas da UEL está com um programa em andamento, portanto não é possível fazer alterações no currículo e também, não há autonomia para alterações na ementa. Então, esta formação complementar está sendo inserida nas horas complementares em formato parecido aos das oficinas, em disciplinas eletivas e seminários com temáticas atuais.

 Para os pequenos

 O Professor do Departamento de Educação da UEL, Carlos Toscano, Doutor em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba, pesquisa sobre o ensino de Ciências Naturais nas séries iniciais. Para ele a realidade desta área é extremamente complexa e desafiadora. “A um professor dos anos iniciais, cabe a tarefa do ensino de conteúdos e conceitos retirados de várias áreas de conhecimento como, a língua, a matemática, a história, a geografia e as ciências naturais, que por sua vez resulta em uma construção didática que se alimenta de outras 5 áreas de conhecimento: a física, a química, a biologia, a astronomia e a geologia”, afirma Toscano. Então, o professor destas séries fica incumbido de possuir este leque de conhecimentos e passá-los de forma dinâmica as crianças.

About these ads

Uma resposta para Teoria e prática no ensino de Ciências

  1. João Ribeiro disse:

    Escelente matéria.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: