Design ajuda na prevenção de crimes

Estudo da UEL indica que um ambiente mais seguro depende do modo como os moradores utilizam os espaços dos bairros e também do arranjo de suas construções

Pauta: Ana Carolina Contato
Reportagem: Camila Venceslau
Edição: Beatriz Assumpção

Utilizado em países como EUA, Canadá e Inglaterra, o Crime Prevention Through Enverinonmental Design – CPTED é um guia de estratégias que ajuda a prevenir crimes através do design também é uma realidade no Brasil, embora pouco conhecida ainda. Isso segundo a professora Milena Kanashiro, que coordena o projeto: “Espaços Seguros: defensibilidade em Londrina”. A professora é doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

O projeto, que também conta com a participação dos estudantes de Arquitetura e Urbanismo da UEL, começou com uma coleta de informações retiradas de Boletins de Ocorrência na Polícia Militar de Londrina e análise de 21 guias de defensibilidade urbana de países americanos e europeus, como Estados Unidos e Inglaterra.

De acordo com a coordenadora da pesquisa, estes guias apontam as estratégias que tornam os ambientes das cidades, espaços mais seguros.

A meta dos pesquisadores da UEL era determinar quais os elementos importantes na prevenção de crimes em espaços públicos e nos bairros onde se localizam estes espaços. Milena Kanashiro afirma que dentre os elementos principais estão o arranjo urbano do local; sua visibilidade e o número de pessoas transitando nas ruas.

Os primeiros bairros escolhidos para estudo foram o Conjunto do Café, localizado na Zona Norte de Londrina e o Conjunto das Flores na Zona Sul. Ambos possuem praças públicas que, nesses bairros, são áreas cuidadas e protegidas pela comunidade em geral.

Os pesquisadores verificaram, depois das entrevistas com os moradores dos conjuntos, uma relação de vigilância natural entre os vizinhos, ou seja, todos tomam conta dos lugares comuns e os vigiam como se fossem de sua propriedade.

 As praças ficam constantemente cheias de pessoas, o que dificulta a entrada de estranhos na rua sem que os moradores percebam, como afirma a coordenadora do projeto. “O uso intensivo da rua inibe a ocorrência de crimes. Quanto mais gente circulando na rua, maior é o controle e vigilância do bairro”, ressalta ela.

Outro fator presente nestes bairros e que contribui para o controle de acesso dessas áreas são os arranjos urbanos, mas estes precisam de um design que possibilite uma boa visibilidade de todos os espaços da rua ou do bairro. “O arranjo espacial tem que permitir que eu consiga ver a casa do meu vizinho e ele a minha. Caso entre pessoas diferentes no bairro, a vizinhança já nota”, completa a coordenadora do projeto.

Não só os conjuntos do Café e das Flores foram avaliados, o projeto ampliou a área de pesquisa para mais cinco espaços públicos. Entre estes estão os espaços do Jardim Shangri-lá, uma área que segundo Milena Kanashiro é pouco movimentada por pessoas a pé, algo que também dificulta as relações de vigilância e controle natural, aumentando os ricos de criminalidade.

O soldado Paulo Rezende do 5° Batalhão da Polícia Militar de Londrina concorda que o design pode ser favorável na prevenção de crimes e que a vigilância natural por parte dos moradores diminui sim os riscos de assaltos. “É preferível que o morador mantenha a vigilância natural de sua residência e do bairro onde vive, optando por muros e portões que não atrapalhem a visibilidade para o lado de fora”.

Rezende acrescenta ainda, que os assaltantes atuam com a “regra do menor esforço”, procurando sempre lugares que tenham as condições favoráveis para o ato criminoso, daí a importância dessas medidas.

A pesquisa que teve seu prazo de conclusão estendido, já está em fase final. Os envolvidos no projeto esperam que ele seja útil para a cidade de Londrina, de modo que o design urbano possa ser pensado para contribuir não só com a construção do local, como para sua segurança.

Mais adiante, pretende-se criar um guia adequado de CPTED para a cidade de Londrina, com seus próprios parâmetros desenvolvidos de acordo com o design e as relações de vigilância de cada ambiente, para que ofereçam condições de segurança mais sustentáveis. 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: