Presidente da Microsoft do Brasil visita a UEL e renova convênio com a Universidade

Pelo acordo, criado em 2007, a Empresa fornece tecnologia em softwares para a Universidade propiciar a inclusão digital e o treinamento dos estudantes

fotoeditada

Pauta: Ana Carolina Contato
Reportagem: Tatiane Hirata
Edição: Vitor Oshiro

No último dia 16, a Universidade Estadual de Londrina e a Microsoft assinaram a renovação do contrato de cooperação em tecnologia e softwares. A cerimônia contou com a presença do Diretor Presidente da Microsoft do Brasil, Michel Levy e do Diretor de Setor Público e Educação da Empresa, Paulo Cunha.

Pelo convênio, a Microsoft fornece softwares e conteúdo de ensino aos cursos de Tecnologia da Informação da Universidade, além de disponibilizar consultores para o treinamento de alunos e professores em um programa de capacitação.

O convênio existe desde 2007 e propiciou, dentro da Universidade, o desenvolvimento de programas com o intuito de inclusão digital, como explica Mário Lemes Proença Júnior, diretor de Tecnologia da Informação da UEL, mestre em Ciência da Computação pelo Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) e doutor em Engenharia Elétrica com ênfase em Telecomunicações e Gerência de Redes pela Faculdade de Engenharia Elétrica da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP): “o Aluno-Monitor* e o Alfabetização Digital** são dois cursos que visam proporcionar para a comunidade carente a inclusão digital. Além disso, há o programa chamado IT Academy, que fornece todos os materiais da Microsoft ” cursos, softwares ” a todos os alunos da UEL de forma gratuita”. Os programas de alfabetização digital são compostos de 12 semanas de treinamento, com aulas presenciais e à distância, e formaram duas mil pessoas no ano passado. Para Mário Lemes, a importância do convênio se encontra, principalmente, na possibilidade de oferecer aos alunos o contato com a empresa, com o mundo globalizado e com tecnologia de ponta. Ele considera que a efetivação do acordo vem coroar o trabalho que tem sido realizado.

O presidente Michel Levy falou sobre os benefícios do acordo para a empresa: “através da tecnologia de informação, nós desenvolvemos o país, desenvolvemos a economia e geramos mais renda para o nosso negócio. Então, de fato é um ‘ganha-ganha’. Nós investimos em Tecnologia de Informação e a Tecnologia de Informação desenvolve o nosso mercado”. O presidente ainda se declarou satisfeito por lidar com uma universidade plural: “Não é um contrato exclusivo, a universidade tem projetos de desenvolvimento em outras plataformas que não a Microsoft. Esse é um projeto amplo que nós fazemos com várias entidades, universidades federais, estaduais, privadas. No fundo, nós queremos capacitar as pessoas para incluí-las digitalmente, ter mais base e até preparar para o trabalho, porque hoje, sem a Tecnologia de Informação, você não avança no conhecimento. E o Brasil, para se inserir nessa nova sociedade, nessa nova economia, na sociedade do conhecimento, tem que ter um domínio dessas tecnologias para poder gerar e exportar conhecimento, e não só commodities*** “.

Em entrevista coletiva, o Reitor da UEL, Wilmar Marçal, explicou que a ideia da inclusão digital é, primeiramente, fazer com que as pessoas percam o medo de aprender, independentemente da idade. Segundo ele, a intenção é que o treinamento alcance também os servidores e até mesmo professores da Universidade. O reitor destacou ainda a necessidade do apoio de órgãos públicos municipais no custeamento do treinamento de mais monitores de informática, para que o número de pessoas atendidas pelo programa de inclusão digital se multiplique.

Dirceu Moreira Guazzi****, diretor do Centro de Ciências Exatas da UEL e responsável pelos programas Aluno-Monitor e Alfabetização Digital, discorreu que o convênio é positivo por valorizar o grande potencial que há nas Universidade do interior. Segundo ele, muitas vezes, este potencial é deixado de lado pelas grandes empresas que direcionam esse tipo de programa para as Universidades das capitais.

Márcio Bueno, educador da Guarda Mirim de Londrina, demonstrou, durante a palestra, estar grato pela parceria: “Esse convênio vai possibilitar que os nossos quase 400 adolescentes possam se preparar melhor para o mercado de trabalho.”

O Diretor Presidente da Microsoft do Brasil, Michel Levy, mostrou-se preocupado com o desenvolvimento do país. “Para que o Brasil seja um país que faça a transição da sociedade industrial para a sociedade do conhecimento, é fundamental preparar o capital humano para entrar nesse mundo digital”, afirmou.

* De acordo com o site da Microsoft, que desenvolve esses programas com outros parceiros além da UEL, o objetivo do Aluno Monitor é promover a formação em conceitos básicos de tecnologia, o gerenciamento do laboratório de informática das escolas e a multiplicação de conhecimentos para educadores e alunos. O Aluno Monitor é disponibilizado pela Microsoft via internet ou por CD-ROM, em parceria com as secretarias de Educação e seus Núcleos de Tecnologia Educacional (NTEs).
** Pelo programa de Alfabetização Digital, a UEL oferece cursos de informática básica direcionados a estudantes dos bairros do entorno da Universidade e da região metropolitana, com todo o material necessário disponibilizado pela Microsoft. As inscrições para o curso podem ser realizadas no site: http://www.mseducacao.com.br/AlfabetizacaoDigital/AreaUsuario/Index.aspx
*** Commodities (mercadorias, em inglês) é um termo utilizado em transações comerciais de produtos de origem primária nas bolsas de mercadorias. Usada como referência aos produtos de base em estado bruto (matérias-primas) ou com pequeno grau de industrialização, de qualidade quase uniforme, produzidos em grandes quantidades e por diferentes produtores. (Fonte: Wikipédia)
**** Dirceu Moreira Guazzi é doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Especialização em Ciência da Computação pela IBM/COPPE/UEL e Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Crédito da imagem: Tatiane Hirata
Legenda: Paulo Cunha, Michel Levy e Wilmar Marçal posam com o professor Francisco Roberto Pereira, o idealizador da parceria

Ano 6 – Edição 73 – 26/09/09

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: