Contaminação dos alimentos por fungos

Projeto de pesquisa busca métodos mais eficazes de detecção de micotoxinas

Pauta: Claudia Hirafuji
Edição: Paola Moraes
Reportagem: Rosana Reineri

O projeto de pesquisa “Estratégias para minimização da contaminação de alimentos por fungos toxigênicos” coordenado pela professora doutora Elisabete Yurie Sataque Ono, da Universidade Estadual de Londrina (UEL) em parceria com a professora Dra. Elisa Yoko Hirooka* da mesma universidade, visa estudar possíveis métodos para agilizar a identificação de micotoxinas a fim de garantir a segurança e qualidade dos alimentos.

A professora Elisabete Ono possui graduação em Farmácia pela UEL, mestrado e doutorado em Ciências de Alimentos, pela mesma instituição, e pós-doutorado pela National Food Research Institute no Japão.

Conexão Ciência: Em que consiste o projeto que vocês estão desenvolvendo?
Profa. Dra. Elisabete Ono:
Neste projeto propõem-se monitorar a contaminação por fungos e micotoxinas em alimentos, contribuindo para a melhoria da qualidade dos produtos agrícolas, visando atender as exigências do mercado no mundo globalizado.

Conexão Ciência: Como é feito o monitoramento e quais são as técnicas de analise empregadas nesse processo?
Profa. Dra. Elisabete Ono: Para a análise de micotoxinas é utilizado cromatografia líquida de alta eficiência que determina a concentração de micotoxinas existentes em um determinado produto. É colhida a amostra e passada pela máquina de cromatografia para identificar se existe a micotoxina, qual é a sua variedade e concentração, ou seja, a quantidade existente no produto.

Conexão Ciência: Quais são os produtores de micotoxina?
Profa. Dra. Elisabete Ono: São os fungos classificados como toxigênicos. Os que são mais comuns em alimentos são os Aspergillus, Fusarium e Penicillium. Eles são os mais estudados e os mais freqüentes em produtos agrícolas.

Conexão Ciência: Quais os malefícios que as micotoxinas podem causar?
Profa. Dra. Elisabete Ono:
Depende da micotoxina. Existem vários tipos, por exemplo, as Aflatoxinas, frequentes no amendoim, são carcinogênicas, ou seja, causadoras de câncer. As Fumonisinas, frequentes no milho, causam em cavalos leucoencefalomalácia, que é a necrose cerebral, levando o animal a óbito, em suínos, causam edema pulmonar e em humanos, existem estudos epidemiológicos que correlacionam a contaminação do milho por fumonisinas com o câncer esofágico e o câncer hepático.

Conexão Ciência: Quais são os procedimentos a serem adotados a fim de minimizar esta contaminação por micotoxinas?
Profa. Dra. Elisabete Ono: É necessária a utilização das boas práticas agrícolas, ou seja, a colheita na época certa, a secagem rápida do grão, depois a armazenagem correta, em uma temperatura adequada, na qual não exista o risco de ocorrer uma reumidificação. O teor de umidade deve ser bastante controlado, porque depois que o grão estiver seco ele não deve ser reumidificado. O fungo pode se desenvolver e se multiplicar dependendo destas condições.

Conexão Ciência: A senhora acredita que os produtos para consumo humano já são adquiridos com esta contaminação ou eles podem ser contaminados posteriormente à compra?
Profa. Dra. Elisabete Ono: Muitos produtos já têm esta contaminação. Em casa não se deve deixar o produto aberto, em local úmido e exposto à luz. Se as condições de armazenamento destes produtos não for de maneira correta o fungo pode se instalar, se desenvolver e se multiplicar neste alimento.

Conexão Ciência: Quais são os resultados obtidos com a pesquisa até o momento?
Profa. Dra. Elisabete Ono
: Eu tenho trabalhado bastante com o milho, aproximadamente 95% do milho analisado está contaminado por Fumonisinas, embora a maior porcentagem esteja abaixo dos limites máximos tolerados pela FDA (Food and Drug Administration) **, estamos percebendo que ao longo dos anos o grau desta contaminação está diminuindo, isto porque os processadores de grãos tem se preocupado com a armazenagem e os produtores rurais estão recebendo orientação e assistência para implantação das boas práticas agrícolas.

Conexão Ciência: Quais os resultados esperados?
Profa. Dra. Elisabete Ono:
Estamos trabalhando, principalmente com os estudantes da professora Elisa, para o desenvolvimento de reagentes para a detecção rápida dessas micotoxinas. A professora Elisa trabalha em intercâmbio com pesquisadores do Japão e os estudantes dela tem trabalhado para o desenvolvimento de métodos imunoenzimáticos, que são métodos rápidos para a detecção de micotoxinas, isto vai auxiliar no monitoramento da ocorrência destas diferentes micotoxinas. Atualmente existem alguns métodos rápidos de análise, mas eles não são 100% confiáveis, é necessário cautela na interpretação dos resultados, existem métodos que acusam falso positivo, por exemplo. É preciso saber interpretar e depois confirmar com algum outro método químico, mais preciso.

* Elisa Yoko Hirooka: Graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Estadual de Londrina, Mestrado em Ciência de Alimentos pela Universidade Estadual de Londrina e Doutorado em Engenharia de Alimentos (Área Ciência de Alimentos) pela Universidade Estadual de Campinas. Atuou como Pesquisador Visitante em Science University ot Tokyo, assim como Pós-Doutorado em Meijo University, Japão.

 

** A Food and Drug Adiministration (FDA ou USFDA) É uma agência do United States Departmente of Health and Human Services. A FDA é responsável por proteger e promever a saude pública através da regulação e supervisão da segurança alimentar, produtos de tabaco, suplementos alimentares, prescrição de medicamentos, vacinas, biofármacos, transfusões de sangue, produtos veterinários e cosméticos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: